segunda-feira, 22 de julho de 2019

FOZ DO ARELHO, BELA E FREQUENTADA PRAIA DO OESTE, SEM SOL, ALGUM VENTO, APENAS ALGUMAS IMAGENS SEM GRANDE QUALIDADE!!!

http://lidyhart.blogspot.com/ NÃO DEIXE DE VISITAR!!! PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO



















terça-feira, 11 de junho de 2019

quarta-feira, 15 de maio de 2019

A LINDA E FABULOSA CIDADE DE VISEU!!!

http://lidyhart.blogspot.com/ NÃO DEIXE DE VISITAR!!! PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO



CATEDRAL DE VISEU!!!



A BELA CIDADE DE VISEU!!!!















FOTOS DE LÍDIA FRADE

quarta-feira, 10 de abril de 2019

FLORES SÃO UM ORNAMENTO,,,,,, OU SÃO DÁDIVA DE DEUS!!!!

http://lidyhart.blogspot.com/ NÃO DEIXE DE VISITAR!!! PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO!!!



ESTAS SÃO AS SEMPRE NOIVAS DA PORTELA E MOSCAVIDE


ESTA BUGAVILIA COMPRE E PLANTEI NA PRIMAVERA DO ANO PASSADO, MAS.... O INVERNO GELADO COM GEADAS DO RIBATEJO MATOU-A, JÁ É A SEGUNDA AGORA DESISTO!!!


ESTAS SÃO VISTOSAS LINDAS RESISTENTES, E DO MEU JARDIM RIBATEJANO


AS MINHAS ROSINHAS DE SANTA TERESINHA DO MEU JARDIM ENCANTADO!!!

sexta-feira, 15 de março de 2019

VIDEO DE PASSEIO NA ESTUFA FRIA

FOTOS DE LÍDIA FRADE MONTAGEM DE LÍDIA FRADE






http://lidyhart.blogspot.com/ NÃO DEIXE DE VISITAR!!! PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO

quarta-feira, 6 de março de 2019

OS SETENTA ANOS DA AVÓ LY!!!! +++++++ OS CATORZE DA MARIANA!!!

http://lidyhart.blogspot.com/ NÃO DEIXE DE VISITAR!!! PELOS CAMINHOS DO RIBATEJO

JÁ NINGUÉM GOSTA DE FAZER SETENTA ANOS, MAS ESTAVA FELIZ POR SER MAIS UM E REUNIR A FAMÍLIA!!! 




AGORA A FESTA DA MARIANA

TODA A GENTE GOSTA DE FAZER CATORZE ANOS

E COM DESEJOS DE CRESCER MAIS E FAZER MAIS!!!




APRECIANDO UMAS PRENDAS SEM PERCEBER BEM O PORQUÊ!!!


COM BEIJINHOS E ABRAÇO GRANDE PARA A NETA MARIANA!!!

FOTOS DA AVÓ LY

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

A MINHA HISTÓRIA DE VIDA!!!!


LÍDIA FRADE



Nasci numa pequenina aldeia de nome Ponte do Celeiro na Freguesia de Almoster Conselho de Santarém.
Foi aí que passei a minha infância onde fiz a minha escolaridade, e comecei a trabalhar par ajudar a minha mãe, a regar as hortas, apanhar comida para o gado de toda a espécie que se criava na fazenda, a guardar os perus  pelas terras para a mãe vender no Natal, ou as ovelhas trazendo de regresso a casa algum cordeirinho que nascia no pasto, ou a cuidar das minhas irmãs, pois sou a mais velha de cinco.
 Foi aí que vivi até aos treze anos, altura em que o meu pai achou que eu já estava crescida suficiente para me por num comercio de venda de frutas e verduras, trabalho que durou pouco por ser mal organizado.
Acabado o negocio de frutas e legumes, mesmo sem dizer nada a ninguém ganhei coragem e fui percorrer todos os cabeleireiros de Santarém para ver se conseguia ir aprender a cabeleireira, levei um não de todos eles não precisavam de aprendizas, era muito difícil  e ainda tinha de ser com pedidos e conhecimentos, coisa que eu nem imaginava.
A minha mãe resolveu pôr-me a aprender costura, foi falar com umas senhoras conhecidas e fui para lá aprender durante uns meses.
Chegou a época da apanha do tomate, mudamos de casa e fui trabalhar com a minha mãe para a apanha do tomate, é aí que eu considero o meu primeiro trabalho, fui ganhar 15$00 por dia, menos três do que as mulheres adultas, trabalhei no campo até casar com dezoito anos.
Entretanto comecei a namorar com dezasseis anos, conheci o namorado e mais tarde marido nos bailes, era dos poucos divertimentos a que os jovens da província tinham aceso e de muita importância, bailes e festas de arraial na província.
Casei a 10 de Dezembro de 1967, vim para Lisboa passar a minha lua de mel, fomos ao Parque Mayer ver uma revista, com os bilhetes oferecidos pelo padrinho do noivo, arranjei trabalho para um armazém que confeções de crianças, fazia cuecas de plástico com rendinhas e folhinhos, em tricô de nylon, para poder trabalhar comprei uma maquina de costura velha, adaptei para fazer zig zag, e cozi tanto nela, até cair o pedal de ferro para o chão gasto de tanto trabalhar.
Entretanto o meu marido foi chamado para a tropa, ao fim de ano e meio foi mobilizado para a guerra, e foi para a Guiné quase dois anos.
Quando ele partiu, eu voltei de novo para a aldeia morar com os meus sogros, continuei a trabalhar em casa a fazer costura, fui arranjando clientes e miúdas que eu ensinava e me ajudavam no trabalho.
O marido enquanto estava na Guiné veio passar as férias a casa, as saudades eram muitas, mas era só um mês que passou depressa, ele foi-se embora e eu descobri depois que estava gravida, fiquei feliz, a criança iria nascer quando o pai regressa-se com o tempo cumprido.
Mas não foi assim precisamente, quando tinha quatro meses de gravidez fui fazer uma consulta com o médico que me estava a acompanhar, disse estar tudo bem, mas nessa noite quando acordei estava a perder muito sangue, levaram-me ao hospital, era princípio de aborto.
Fiquei internada, a criança tinha-se deslocado mas estava viva, fiquei até ao oitavo mês no hospital para segurar a criança, o correio do pai passou a ir directo ao hospital.
Cheguei ao oitavo mês, e estava a soro dia e noite, num dia como todos os vividos dentro de um hospital, chegou o correio, vinha um telegrama, li e dizia que, meu marido embarcava de regresso nesse próprio dia, chegaria dai a seis dias.
Foi tal a comoção que, naquele mesmo instante a criança deu um empurrão para nascer, gritei que me acudissem, levaram-me para a sala de partos e a criança nasceu, era uma menina, só sobe naquele momento, pois na época ainda não era possível ver o sexo das crianças.
Nasceu apenas com 1,150 kg com dificuldade em respirar, meteram-lhe oxigénio e não cabiam os tubos, foi logo de ambulância para a  Maternidade Alfredo da Costa para incubadora, coisa que não havia em Santarém.
Passados dois dias a médica foi dar-me alta, mas disse para eu passar no gabinete dela antes de sair, assim fiz, e era só para me dizer que teria de ir registar a menina e depois levar a cédula para Lisboa para fazerem o funeral que a menina tinha morrido.
Foi registada com o nome de Solange Marina, nome que eu adorava.
Chorei muito, depois de tanto sacrifício não tinha servido para nada, a menina nascera e teria de fazer o funeral sem o pai a ver, e teve de ser mesmo, não havia nada mais a fazer.
 Eu não conseguia andar, tinha estado quatro meses deitada para segurar a minha gravidez, as articulações não tinham movimento, era dores horríveis mas tinha de ser, fui ao quartel receber o dinheiro da minha sobrevivência, e fui para Lisboa no dia seguinte fazer o funeral da minha filha, fui apenas eu, uma das minhas irmãs e meu pai, foi ele que fez o contrato do funeral, eu só entrei na morgue para fazer o reconhecimento da minha filha, depois de ter entregue a roupa para ser vestida.
Fiquei em Lisboa de pois do funeral, faltava dois dias para o marido chegar, o Niassa atracou no cais da Rocha do Conde de Óbidos, esperei o desembarque, quando o marido chegou junto da família, lá estava eu para o receber sem filha, com a alegria de um lado do coração, e a tristeza do outro lado por ter passado por tudo o que passei sem ele a meu lado.
O tempo passou, e um ano e meio depois em 1972 nasceu a minha filha Susana Marina na graça de Deus sem problema algum.
 Em 1977 nasceu o meu filho, o Dário Luís, dois filhos muito desejados e criados com muito amor, a quem fiz o possível por dar tudo o que estava ao meu alcance, para além do carinho e amor.
Continuei desde 1968 a 1980 a trabalhar em casa, tendo feito entretanto um curso de corte costura e bordados, com o fim de progredir no meu trabalho, e um curso de cabeleireira que sempre fiz em segunda opção, para a família e algumas senhoras da aldeia que nunca deixei de atender.
Em 1981 fui trabalhar de ajudante de cozinheira com o fim de ter um ordenado fixo ao fim do mês e porque também já estava cansada das costuras.
De 1982 a 1999 trabalhei como empresária comercial por conta própria, com um comercio de café e mercearia a retalho numa pequena aldeia com menos de trezentos habitantes onde vivia.
Passaram vinte anos e, cansei-me desse comercio, estava estagnado completamente, asfixiado pelas grandes superfícies, sem a possibilidade de fazer mudanças ou alterações num renovar para outra direcção  parei completamente e direccionei-me para a Actividade de cabeleireira, mesmo com alguns dissabores, perdas e maus investimentos, sobrevivi a tudo, e hoje estou feliz na mesma actividade, vivendo do meu trabalho e no lugar certo!!!






A MINHA FOTOGRAFIA

Eu Lídia Frade

Gosto de ser Lídia Frade, nome profissional, nome de suposta escritora, nome que mais prazer me dá assinar, e por isso mesmo porque sou uma mulher de prazeres saboreados, de prazeres procurados, ou até inventados, mas tudo o que faço na vida tem que ser por prazer de fazer.
Profissionalmente, adoro o meu trabalho, sou cabeleireira de homens por opção, porque é menos cansativo do que trabalhar com mulheres, ainda porque sempre gostei de ser diferente, e sendo que as mulheres estão há relativamente poucos anos nos cabeleireiros de homens, eu sempre desejei ser uma das pioneiras. Além da minha profissão, gosto de viajar, de fazer fotografia, de pintar e escrever.

AS MINHAS VIRTUDES

Sou amiga dos meus amigos ou família sem olhar a sacrifícios, humanamente solidária, tanto quanto a vida me permite, ou a credibilidade das causas. Lutadora por tudo o que quero alcançar, sem olhar a sacrifícios, se poder ser virtude, sou um pouco insatisfeita comigo, querendo ir sempre mais além, etapa após etapa.

OS MEUS DEFEITOS

Sou teimosa, um pouco precipitada, talvez possa ser um defeito a insatisfação, mas resume-se a querer ser mais eu, sem prejuízo para terceiros.

O QUE GOSTARIA DE TER FEITO NÃO TENDO OPORTUNIDADE

Gostava de ter feito outra escolaridade há mais anos atrás, sem que no entanto isso tivesse interferido no meu percurso de vida, sempre fiz o que estaria ao meu alcance para evoluir no meu caminhar de aprendizagem, e tudo no tempo certo, cursos de formação feminina, cursos de corte costura e bordados, cursos de estética, cursos de cabeleireira, e agora pintura, e Requalificação escolar em curso.
Gostaria de ter ido para os Estados Unidos mais cedo, pois quando tive oportunidade de ir para lá trabalhar, recusei por ser um tempo em que os netos já começavam a chegar, e embora não seja uma avó muito presente, sou o suficiente para acompanhar o seu crescimento, gostaria de ter o meu próprio espaço e voltar a trabalhar por conta própria mais sedo, mas tudo tem um tempo na vida, e esse dia também chegou.

O QUE EU SOU

 Uma mulher a 100% que gosta dos prazeres da vida, uma lutadora no sentido prático, uma mulher com filhos e netos que adora, mas que gosta de namorar, e a quem ninguém se atreva a impor ou traçar os seus próprios caminhos. Que pode dar ou fazer tudo de livre vontade, mas a quem ninguém pense pisar.


SOU TODA EU                     Lídia Frade


O NOSSO TEJO ANTES DO INVERNO DESTE ANO!!!

INTRODUÇÃO


Irei falar um pouco sobre a sua história e geografia, população, roteiros, candidatura a património mundial, e outras informações.
 A importância e notabilidade que Santarém sempre assumiu através de muitos séculos, fez desta cidade  uma das mais importantes de Portugal.
E á qual estiveram sempre ligadas intimamente, muitos dos maiores vultos da nossa história, assim como do nosso País.
Tem um elevado e relevante numero de monumental património, testemunhando grande opulência artística e cultural,(sui generis) á escala nacional.




                    
Lídia Frade

                                                
                                                                

Foi residência real e capital do reino no reinado de D. João IV no século XIV. Vindo daí a sua maior importância em documentação, de privilégios e forais, com a sua grande expansão teria na época em área concelhia. 
v  Dezasseis conventos e mosteiros,
v  Cerca de trinta albergarias e hospitais,
v  Mais de quarenta ermidas,
v  Paços realengos como os de Alcáçova e do Terreiro da Piedade,
v  Palácios e solares da melhor nobreza do reino.
Este desenvolvimento e interligação resultou em diversas  conjunturas políticas, económicas, sociais e culturais derivando assim em grande opulência artística, e desta o estilo gótico monumentos construídos nos séculos XIII e XIV em Santarém, concedendo-lhe o epíteto de “ Capital do Gótico”.
Aconteceram ainda ao longo dos séculos algumas delapidações que sacrificaram e destruíram uma boa parte do património medieval, chegados os séculos IX e XX Santarém ainda mantêm alguma herança monumental desse período, que são exemplos:
v  Igreja S. João de Alporão (séc. XIII)
v  Igreja da Graça(séc. XIV)
v  Igreja de Marvila ( reconstrução Manuelina)
v  Igreja do Convento de Santa Clara(1260)
v  Convento de S. Francisco(1242)
v  Igreja San. Cruz da Ribeira ( séc. XIV)
v  Fonte das Figueiras (séc. XIII)
v  Recinto Fortificação de Alcáçova  Portas de S. Tiago e do Sol, etc.
Santarém tem sido objecto de grande interesse por parte da Câmara Municipal em diversas acções pela conservação de património, principalmente no projecto iniciado em 1992 na área do centro histórico, assim como a Candidatura de Santarém a Património Mundial.
Recentemente através de trabalhos arqueológicos realizados pelo IPPAR (Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico) foi descoberto um Templo Romano nos trabalhos de restauro da alcáçova de Santarém, com 15 m de lado que se presume datar do Séc. I AC.


MONUMENTOS A VISITAR EM SANTARÉM
v  Portas do Sol
v  Igreja de Marvila
v  Igreja de Santa Clara
v  Igreja do Milagre
v  Capela de Nossa Senhora do Monte
v  Igreja da Misericórdia
v  Igreja de Jesus Cristo
v  Convento de S. Francisco
v  Igreja da Graça                                                                          
v  Igreja do Seminário
v  Fonte das Figueiras
v  Igreja de Santa Cruz                                                                                                               
v  Igreja de Santa Iria
v  Castelo de Alcanede
v  Convento de Almoster
v  Igreja de São João de Alporão
v  Torre das Cabaças


                                                                                                                      
ENTRE  LENDAS E A HISTÓRIA
A capacidade defensiva, e os acessos fáceis ao rio Tejo e seus campos férteis, cedo tornaram Santarém num local privilegiado  para afixação humana, quer no planalto ou nas zonas ribeirinhas.
A presença dos romanos é relatada por diversos autores, chamando-lhe scallabis tendo sido no séc. I importante base militar para defesa e colonização do território.
A cidade sofreu no séc. III grande crise no império romano, tendo sido em CCCCLX dada aos visigodes.
Foi no séc. VI sobre esse domínio que se deram os acontecimentos lendários sobre SANTA IRIA . Posteriormente recebendo a designação de SANCTA IRENA na época muçulmana ainda o nome de CHANTIREIN ou CHANTARIM, tornando-se na actual SANTARÈM.
A ocupação muçulmana deu-se no séc. VIII, segundo-se a definitiva ocupação cristã em MCXLVII durante toda a idade média, a vila foi palco de diversos acontecimentos que marcaram a nossa história, sendo um relatado pelos historiadores, a morte do infante D. Afonso, filho de D João II, num acidente de cavalo nas margens do Tejo, sendo uma razão de afastamento da corte da vila de Santarém e o seu declinou na importância do reino.
Foi em Dezembro e 1868 que foi elevada a cidade.


SANTARÉM CONCELHO
v  Área.................................559 km2
v  Densidade Populacional.............112 P/km2
v  N º Freguesias..................................28
v  Concelho ---------62.621 habitantes
v  Santarém-----------26.357 habitantes
v  E Freguesias Urbanas
LENDA DE SANTA IRIA
Nascida de uma família de Nabância (região de Tomar) Iria recebeu educação num convento de freiras beneditinas chefiado polo seu tio, o abade Sélio, e no qual viria a professar. Era bela e inteligente despertando o interesse dos jovens fidalgos que disputavam a sua atenção, entre eles Britaldo, príncipe que alimentava por Iria uma paixão doentia.
Perdido de amores estava também Remígeo, director espiritual de Iria que tomando conhecimento dos amores de Britaldo, e consumido de ciúmes fez Iria tomar uma tisana embruxada que fez surgir no corpo da donzela sinais de gravidez.
Expulsa do convento foi refugiar-se na beira do rio a chorar e ali foi assassinada por um criado de Britaldo, o seu corpo de mártir foi atirado ao rio, vindo a ser encontrado e dado sepultura nas areias sob as claras águas do Tejo hoje Ribeira de Santarém onde é festejada como padroeira e onde se recomenda uma visita á Igreja de Santa Iria.



HISTÓRIA DO SANTISSIMO MILAGRE DE SANTAR
Corria o ano de 1247 ou 1266 segundo os escritos de alguns cronista da época.
Na então vila vivia uma pobre mulher a quem o marido tratava muito mal por andar enfeitiçado com uma amante.
Em tal desespero foi pedir ajuda a uma bruxa judia, para que com os seus feitiços a livrasse de tremenda e desgraçada vida.
Prometeu-lhe esta remédio eficaz e para o qual precisava de uma hóstia consagrada, a mulher ficou amedrontada com tal ideia mas diante da situação que estava a viver foi resolver a situação pedida.
Foi confessar-se na Igreja do Santo Estevão, pediu a comunhão, e ao comungar discretamente retirou a partícula da boca envolveu-a numa ponta do véu e foi leva-la á dita feiticeira.
Quando caminhava sem que ela o notasse começou a escorrer sangue do véu em abundância, foi assim abordada por algumas pessoas que lhe perguntavam que ferimento tinha ela que tanto sangue deitava, assustada a mulher correu para casa, meteu o véu com a partícula dentro de uma arca.
Passou o dia, já tarde voltou o homem para casa, deitaram-se, e altas horas da noite foram acordados pelos raios brilhantes de uma luz encândescente que sairia de dentro da arca, inteirando-se o homem do grande pecado que a mulher tinha cometido passaram a noite de joelhos em frente da arca, e da luz divina em adoração, pela manhã foi dado conhecimento ao pároco de tamanho milagre, que mal se foi espalhando e foi acorrendo meia Santarém par contemplar o milagre.
A sagrada partícula foi levada para a Igreja de Santo Estevão, conservada numa espécie de custódia feita de cera, e dentro do sacrário para adoração aos fiéis.
Um dia ao abrir o sacrário verificou-se  que a cera que protegia a hóstia estava desfeita e partida, no lugar dela havia como uma capsula, a partícula estava envolvida por uma âmbula de cristal miraculosamente aparecida.
Esta pequena âmbula foi colocada numa custódia de prata dourada, onde ainda hoje se encontra.
Santo Estevão é hoje a Igreja do Santíssimo Milagre.
(Com a aprovação da Autoridade Eclesiástica)



FOTOS DE LÍDIA FRADE




                                                                                        






domingo, 2 de dezembro de 2018