segunda-feira, 6 de abril de 2009

NADA DE QUANDO


NADA DE QUANDO

Quando se atira um anzol,
Ao fundo do mar, sem fio.

Quando se abre o coração,
E se fica mais vazio.

Quando se é, apenas face,
De moeda sem valor.

Quando o valor da moeda,
Tem mais peso, do que o amor.

Quando se sente atracção,
Como a um íman, colado.

Quando o tudo é, tão pouco,
Mas nos confunde a razão.

Quando o que assim, foi muito,
Se perde na confusão.

4 comentários:

Vitor Lopes disse...

Vejo que dás continuidade à escrita.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA AMIGA, LINDO POEMA... PARABÉNS!!!
ADREI O TEU POST... BEIJINHOS DE CARINHO,
FERNANDINHA

Efigênia Coutinho disse...

"POESIA QUANDO"
Bela postagem destes versos lindos, adorei ler.
Apenas fiquei na duvida, Lidia é a mesma que "dilailasilvex".
Postei aos meus dois Blogs, sonetos, ficarei feliz com sua visita, beijos,
Efigênia Coutinho

dilailasilvexhttp://dilailasilvex.blogspot.com/search?q= disse...

SIM EFIGÊNIA, SOU A MESMA E UNICA.

1 BEIJO,OBRIGADO LY